quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

A difícil arte de ser eu mesma


Iniciando mais um ano, e como sempre chhhhhhhhhhheio de novidades,
com muitas das minhas recorrentes questões vindo a tona.
Todavia, percebo que boa parte delas está associada a uma,
a maior de todas que é o desejo enlouquecido pelo meu lugar.
Talvez, e penso que há uma probabilidade bem grande,
esse ano seja o ano da minha "VIRADA" e dessa grande conquista.
(será?!)
Um dos meus maiores impasses sempre foi o financeiro e, bom,
penso que pela primeira vez na vida essa não é mais a questão.
(será?!)
Outro, seria a "turbulência" que eu causaria junto aos que amo devido a essa "novidade".
(será?!)
Esse ano, provavelmente, será aquele em que mesmo diante dos "velhos" obstáculos
eu consiga enfim me realizar.
Não gosto mesmo de criar expectativas... tantas vezes sonho e já sonhei com isso até acordada?
Mas quando o farei sem riscos?
Haverá circunstância perfeita?
Angústia me define nesse momento.
No mais, ando cansada de evitar turbulência alheia e seguir mantendo a minha.
MARI
PS. 2015 é o ano do "vamos ver".

6 comentários: