quarta-feira, 23 de maio de 2012

AVISO: Mulher solteira NÃO procura!


Estes dias estive com umas pessoas que MAIS uma vez reforçaram minha tese
sobre o "falso desenvolvimento feminista" das últimas décadas...
Por que SEMPRE entre as primeiras frases de uma conversa que alguém tem
comigo vem uma pergunta do tipo: "e o coração?", "e o namorado?", "e casa quando?".
Minha vontade é responder na lata: "Não tem namorado, muito menos casamento.
Meu coração como sempre bate independente de QUALQUER coisa. E não tem nem namorado
nem casamento simplesmente porque EU NÃO QUERO. ok?".
Caraca véi, em que década de fato as pessoas estão vivendo? A de 1910? Talvez a de 1930?
"Evoluimos", "Desenvolvemos", "Somos independend woman´s". SERÁ?!
Não sei não, não sei mesmo.
Por que ao que me parece as coisas não mudaram muito (pelo menos quando se fala de relacionamentos...)
As mulheres podem até não admitir - mas principalmente as jovens como eu - fazem da "caça"
ao "macho man" uma prioridade 24hs das suas vidas.
Vivem de olho nos homens, seja na padaria, na escada rolante, no trânsito ou até nas escolas de seus filhos...afinal, "nunca se sabe, "o cara" pode estar em qualquer lugar".
Muitas vezes eu acho até doentio sabe?
Pocha, não dá para olhar para o outro como uma pessoa de vez enquando?
Penso que das duas uma: ou  estas mulheres "modernas" são huber carentes e não sabem mesmo
suprir isso se não atrelando-se a uma figura masculina mesmo que "só por diversão, por que eu sou "moderna" (ou por que "solteira sim, sozinha nunca") OU por que não tem nada mais interessante
para fazer das suas vidas do que no fundo, ficar lembrando do quanto poderia ser muito melhor
a vida se um "macho man" estivesse do lado delas (nem que seja por um noite).
Nestes casos, francamente, apesar do discurso de muitas do tipo "eu que sou demais, eu faço deles
gato e sapato, aproveito geral e depois mando passear!" o que eu tenho observado é bem o contrário. Elas fingem superioridade e gritam fazerem parte da moda do "descartável" na qual "vai um, vem oito. Uso um e jogo fora!" MMMMMMMAS, na minha opinião, são vítimas de si mesmas, coitadas. São "superiores" mesmo? Será?
Quem é que está usando quem neste mundo? Hum...não sei, viu?
Acho que do jeito que as coisas estão, ninguém tem "moral" para falar de ninguém.
As pessoas tem se "usado" coletivamente, e desculpa, mas é com isso que eu não me acostumo.
Bom, de concreto, o que posso dizer mesmo é de mim. Estou solteira, e NÃO estou "a procura".
Não quero um namorado. Não quero me casar. Nada disso nunca foi nem ainda é prioridade (até agora. O que não significa que no futuro isso possa mudar. Nem significa que mudando, eu entre
na "moda dos descartáveis". Por que eu AINDA acredito que possa existir casamento ou namoro sem "descartavismo", se é que vocês me entendem).
E pocha, me respeitem por isso. Isso é coisa minha, da minha vida. Que saco!
E mais, podem deixar as mentes maliciosas e maldosas de lado, não sou gay nem tenho disfunções hormonais ou qualquer outra "anormalidade" que me impeça de ser uma "devoradora insaciável".
(aproveito para dizer que não tenho nada contra os gays ou os casados. De verdade, os respeito muito.
Os respeito justamente por que acredito que TODOS nós devemos ser respeitados por nossas escolhas, e não ficar sendo eternamente cobrados por aquilo que simplesmente não somos).
Só por que as demais mulheres vivem loucas atrás de um par de calças a todo instante ou lugar,
ou porque se lamentam por que estão sozinhas ou ficam contando quantos meses fazem que o fulano as deixaram ou coisas afins, não significa que EU SOFRA disso tudo.
Estou bem sozinha, de verdade. Sempre estive. E até agradeço a Deus por isso. Não tenho essa falta,
esta necessidade louca de precisar de um homem do meu lado pra ser feliz. Não mesmo.
E pocha, me respeitem.
Eu nunca disse a ninguém "Ah, para com isso! Fica sozinha!" ou "Tá carente heim? Vai se tratar!".
Nunca. Eu simplesmente respeito as necessidades e escolhas alheias por que aceito que os outros
não são NEM PRECISAM ser iguais a mim. E cabe a mim conviver respeitosamente e em paz com os outros apesar de nossas escolhas e diferenças.
Pocha, é um saco isso, de verdade: "cadê o namoradão?"- MORREU! - eu tenho vontade de dizer!rs.
É como a bebiba sabe?
"-vai beber não Mari? Ah, mas só um golinho...deixa de ser boba!".
Tipo, "meu amigo, quer se enbebedar? BOA SORTE! Mas não me enche o saco pra ir na sua onda! Por acaso alguma vez já te enchi a paciência para que você não bebesse?!".
E outra coisa, não tenham pena de mim, tenham não.
Só porque eu não faço coleção de porres e de "peguetes", não significa que eu não sou feliz, que eu
não aproveito a vida ou que sou "pura, santa, ingênua, carola e infantil".
Me adjetivem disso tudo, por outros motivos, e não por que não bebo ou estou solteira. Não por isso.
Só por que eu vivi uma experiência, não significa que eu não possa saber o que ela significa ou exatamente como ela funciona. De verdade? Tolos daqueles queacreditam nisso.
Enfim, no final das contas, eu sei que a "anormal" - e não a errada, o que é BBBBBBBBEM DIFERENTE - sou mesmo eu e por isso mesmo as pessoas se espantam:
"Você não bebe? NADA?! Sério?!" ou "Não namora? Mas nem "fica" por ai? Tadinha...".
Mas quer saber? Não me incomodo mesmo com isso. Com minha "condição".
Se me incomodasse não a exporia com tanta naturalidade aqui ou em qualquer outra conversa que tenho com as pessoas. Assumo mesmo minhas particularidades e escolhas. E se os outros não sabem
lidar com isso, que pena, ou me excluam de suas vidas ou aprendam a viver com as diferenças.´
(Particularmente, recomendo a segunda opção, é o que tenho tentado fazer a minha vida inteira.
Afinal, quem é igual a mim? Quem é igual a você? Quem?).
Mulheres do meu Brasil, por que não pensar um pouco sobre tudo isso?
"Desenvolvemos" mesmo?
Por que andamos tão carentes?
Por que precisamos TANTO do outro, ou de usar outro ou de se deixar ser usada por outro, para sermos felizes?
Onde vamos parar desse jeito? Eu não sei, mas confesso que tenho medo do que o futuro nos reserva.
E mais uma vez repito: sou mesmo uma experiência do passado enviada para observar o presente, e não vejo a hora de ser abduzida de volta para o meu tempo, para o meu mundo.
MARI.

2 comentários:

Sendo Singular disse...

Maaaaaaaaari, que TEXTO "Tudo o que há de mais moderno", foi esse heim?
AMEEEEEI ^^
Por isso mesmo, quando alguém me pergunta a condição do meu coração, respondo: EM PAZ COM ELE MESMO!
Ou então: TEO TA BEM! :D (sabe quem é TEO? TEOBAAAAALDO ;P )
Mulher do século XXI, mulher moderna, independente... aaaah não precisamos nos desesperar, temos muito tempo pra gente ;)
Beijão sou tua fã

Mari Marques disse...

Samy querida, vc como sempre muito doce.
Só queria que as pessoas respeitassem as outras sabe samy?
Independente de qualquer coisa!
Tô de saco cheia de cobrança.
:/